Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

"Nossa Senhora do Rosário de Fátima"

João-Afonso Machado, 31.10.18

IMG_3461.JPG

Muitos são ainda desses anos remotos em que a literatura sobre Famalicão, à sua passagem por Santiago da Cruz, apontava como local de visita o miradouro sobre “S. Cosme”. Isto é, todo aquele fundo que inclui as freguesias de Vale (S. Cosme e S. Martinho) e de Telhado, até começar a trepar as pedreiras de Portela e as encostas de Vermoim, Pousada de Saramagos… Algo que actualmente nos faz, decerto, bastante confusão – parar em determinado ponto da EN14, sob o trovejar do trânsito automóvel, e espreitar para rebanhos sem fim, coloridos, de casario e buzinas, de molossos fabris. Para a antiga imensidão, afinal, de agricultura, bouças de pinheiros, ribeiros imaculados – saudoso Pelhe das mil trutas! – que outro mundo… E os sinos das igrejas e das horas, dos dias de Páscoa e do toque a finados, submergindo na vastidão do vale… Como se infere, só com farta dose de imaginação se atingirá o bucolismo desse quadro de então.

Mais a mais, a A3 anda logo ali abaixo… Seria impossível vivermos hoje sem ela. Mas o seu contributo – com as barreiras verdes a resguardar do ruído os moradores próximos – para o embelezamento da paisagem nada contribuem. A vida é como é, o saudosismo em excesso pernicioso, e há sempre um modo de, face ao com que nos confrontamos, descobrir pequenos (ou grandes…) remedeios.

É o que agora me ocorre quando conheci o Parque da Nossa Senhora do Rosário de Fátima. Um primeiro comentário – o nome é muito bonito! Foi ele inaugurado no passado dia 13 de Outubro, aqui na freguesia de Cruz. Não pensem, não se trata de uma grande superfície. Mas a arborização em redor é já uma realidade. E, no centro do programa, a imagem da Senhora de Fátima. Tendo como fundo uma vasta massa escura, virada a nascente, conferindo ao conjunto o instante de uma reflexão, a seriedade e o respeito pelas convicções da grande massa dos portugueses Futuramente, quem sabe?, não será um local de repouso e convivência, de tranquilidade de cada um com os seus…

Acima de tudo, entre casas abastadas que ali nascem, fica esse poiso. O de Nossa Senhora. A resultar da boa vontade de quem cedeu os terrenos e da Junta da freguesia que delineou a obra. Porque a Senhora de Fátima diz muito aos portugueses!

Eu não espero haja da parte de determinadas facções políticas uma manifestação contra. (Na política, o sentido de oportunidade é fundamental…) Espero é continuar a passar por ali, Deus queira. E perante a imagem, perante o cenário, me lembre do bom da vida, em que creio absolutamente a Rainha de Portugal está por nós, portugueses. Perdoem-me a minha confissão de fé. Esta: Deus é demasiadamente grande para que o alcancemos; Jesus, o Filho, algo que a nossa matemática de espírito, se calhar, também sente dificuldade em captar; mas Nossa Senhora é a Mãe. E quem não se arreiga ao coração da Mãe?

Bem vinda a Aldeia Nova, freguesia de Cruz, Nossa Senhora do Rosário de Fátima, nossa Mãe!!!

 

(Da rúbrica De Torna Viagem, in Cidade Hoje de 31.OUT.2018)