Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

Monsaraz

João-Afonso Machado, 14.06.19

Outro concelho extinto. Outra vila carregada de história desde a sua conquista aos muçulmanos pelo célebre, famigerado, Geraldo Sem Pavor, aí por 1167. Nos nossos primórdios. A fortificação, num alto, era inevitável, contando os inimigos - Castela, de um lado, os sarracenos, do outro.

O tempo, menos belicoso, ditaria mudanças. No meado do século XIX, a velha vila de Monsaraz ver-se-ia integrada no recém-criado concelho de Reguengos de Monsaraz. Ficou a memória e a beleza do lugar.

MONSARAZ DO ALQUEVA.JPG

Hoje Monsaraz já não espreita somente a aridez do Alentejo. Banha-a o lago sem fim do Alqueva. Conhecia-a antes de tanta água. Da água toda que a torna mais bonita e apetecível. Compreenda-se isto subindo às suas muralhas.

ALQUEVA.JPG

Assim a velha vila ganhou outra vida, apostada hoje no turismo. No Neolitico que a circunda. Em tradições de que não abdica: ainda agora reclama para si o estatuto de Barrancos, o poder legalizado de lidar "touros de morte". Uma tourada que decorre com os próceres do Poder Central, contra os enfermos das causas da "depressão urbana".

Quem lá habita, entre muralhas,

CASA E PARREIRA.JPG

não engrupará, decerto, hordas obscenamente primitivas e sanguinárias. É gente modesta que vive dos restaurantes e do artesanato. Resta reconhecê-los e respeitá-los. Portugal não pode ser o alvo dos decretos legislativos e Monsaraz tem por si o peso da antiguidade, essa forma autorizada de permanecer o que é. Ainda na juventude do Estado, já o seu Hospital da Misericórdia operava:

HOSPITAL MISERICÓRDIA.JPG

Aliás, uma organização inteira dos de Monsaraz, à sombra do castelo, da sua maternal torre de menagem,

TORRE MENAGEM.JPG

sabedores de si, habituados a silêncios que, pese embora a invasão dos estranhos, ávidos da sua beleza, se mantém,

CASA BRANCA.JPG

sempre zelozos de um branco único, o branco que só o Alentejo consegue manter ao longo das centúrias, parco e humilde, grandioso na sua simplicidade de quem é e não comenta os outros, sejam, ou não, de gosto inferior.

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.