Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

Ilusões de um pobre no cais

João-Afonso Machado, 24.08.17

MOLICEIRO.JPG

Num repente a Ria estava toda ali. Chegara deslizando em sons de madeira reflectidos na água. A Ria içara o velame, foi o que foi. Coisa rara de se ver.

E complicada de se descrever. A Ria esquecera o moliço e carregara-se da paz dos ocupantes do moliceiro. Por isso, havia algumas vozes brandas sobre o silêncio do fim de tarde. Uma lenta rapidez no manobrar, o precioso retoque dos reflexos na água. Felizmente a máquina fotográfica não lhe deu para emperrar. Estava gente no cais, um breve diálogo com os recém-chegados do moliceiro, tudo dentro do adequado àquele sol poente.

Dos donos severos, acrescente-se, a quem às vezes repugna o barulho dos motores.

E naquele instante foi assim. O moliceiro chegou num sulco cauteloso de pirata à noite, era madeira contra madeira e o pano sacudido pela brisa, atracou e, afora umas ordens muito imperiosas, a tripulação desembarcou feminina. Sem dúvida alguma, a Ria concentrara-se ali, o mais era estrangeiro.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.