Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

De Chaves a Faro (EN2) - III

João-Afonso Machado, 20.06.20

E Lamego acordou muito bem disposta, logo a caminho dos Sagrados Ofícios.

IMG_0628.JPG

Houve quem lá não chegasse, perdido em conversas sobre a terra, sobre o vazio turístico, no conforto de um pequeno-almoço muito elaborado de burocracias anti-covídicas. Depois, urgia partir.

Já com os vinhedos a cairem no esquecimento, correndo à ilharga da serra de Montemuro, não tardou invadissemos Castro Daire. Vilazinha sossegada, de recantos curiosos e gente invisível.

IMG_2879.JPG

Mas lá estava o marco tranquilizador. Ao km 136 permaneciamos na EN2, descendo agora em direcção à região do Dão.

MARCO.JPG

Até Viseu foi um instante. Outro carrocel de rotundas, uma escapatória, enfim, e paragem adiante, em Tondela. Era a hora do almoço.

Por isso, decerto, a ausência também de tondelenses. Mas lá encontrámos um restaurante e a sua enorme proeza de uns filetes de polvo históricos, ancestrais. É caso para dizer, com tanto tempo sentado no carro, e estes pitéus de permeio, a engorda bate-me à porta. Sobrevem o susto, o cuidado com a saúde, mas tudo se esvai quando a travessa chega à mesa.

VALES.JPG

Assim a voltinha digestiva se tornou um imperativo.Tondela também voltava à rua, em voz baixa, com algum comércio nada stressado. Achei especial interesse no museu desta "Terra de Besteiros", outrora casa, como se lê na respectiva pedra de armas, da família Vale.

Não demorou Santa Comba Dão. Outra localidade de vanguarda, lojas de arrojadíssimo desenho.

LOJA OLIVA.JPG

E tudo foram sorrisos quando perguntei o rumo de Vimieiro, a terra do Sr. António. Sorrisos amistosos, esclareça-se, procedidos de prontas explicações. Era logo ali, e eu tive curiosidade em rever a sua campa no cemitério, um pedaço de pedra tosca onde algum pedreiro gravou à pressa - "AOS". E mais nada, sendo que o Sr. António, se quisesse, teria lugar em um qualquer panteão de nomeada - meno no Real, claro, - onde esperaria a Revolução o despejasse. Eis o que não deixo de admirar na sua pessoa, muito embora todas as voltas que ele trocou à nossa amada Bandeira Nacional. Nas imediações, uma abonada residência, ainda agora não destelhada e de provável afinidade com a memória do Sr. António.

IMG_2890.JPG

Pela Lousã seguimos a Góis. Uma vila belissima, um capítulo à parte.

 

2 comentários

Comentar post