Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

Água benta sobre os tuk-tuk's

João-Afonso Machado, 23.09.20

IMG_3594.JPG

À saída dos Jerónimos - e à vista de semelhante parque de viaturas... - a ideia chegou e instalou-se: tuk-tukar até Santa Apolónia. Em máquina pequena, a deixar cair uma lagrimazita de saudade dos tempos das Piaggios, as suas mudanças de mão, o travão de pedal como os das caminhetas... Assim atravessei a rua para negociarmos.

O preço foi rapida e justamente fixado. Saltámos lá para dentro, atrás do condutor o banco dos conduzidos, duas pessoas mais a bagagem, tudo a ajudar esquecer uma Lisboa que se queda mais triste quando a gravata se nos enrosca no pescoço, e o fato substitui o blusão ou as mangas arregaçadas.

Num ápice para trás ficaram a Belém dos pasteis e a Belém presidencial, à ilharga o comboio, e já raspávamos o Cais do Sodré, cá no fundo da Rua do Alecrim, o Chiado uma lembrança vaga no topo, adeus Lisboa, até um dia...

Aliás, a maré no Terreiro do Paço enchia ameaçadoramente de turistas. E de uma inusitada ondulação, o Tejo muito nervoso, invenctivando os passantes, a rogar-lhes pragas, a deixar no eco o ano sinistro de 1755. E quase a bater-me nos pés. - Oh! Tejo, aguenta aí, pá! Deixa-me, ao menos, apanhar o Alfa e alcançar Santarém, que eu de lá aviso a Protecção Civil: ela chega sempre a tempo... 

Por isto tudo, um simpático baptismo de tuk-tuk. Rápido a mais, como acontece com tudo o que é simpático. Muito dialogado e explicado, desde os segredos destas novas Piaggios até aos meandros dos transportes alternativos. E o arzinho fresco na cara, um ar de aventuras em mundos desconhecidos, um sonho breve de lonjuras a explorar.

(João Batarda é algarvio de berço, mas vive em Lisboa desde que regressou do Luxemburgo. No tempo bastante para alfacinhar por completo. Deixou-me o cartão do seu modo de vida - um operador de tuk-tuk's. Tem um aspecto feliz: passeia o santo dia todo, e leva os outros a passear. Está nele espelhada a diferença entre uma viagem de táxi e o percurso da cidade em tais triciclos, a mandar-lhe piropos se o vento a despenteia ou mesmo lhe levanta a saia...)

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.