Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

António Barreto, sempre ele!

João-Afonso Machado, 28.01.11

Consta ser socialista. Será. Para mim, é, sobretudo, o politico mais sério e realista, das raras excepções que não desonram os portugueses. Daí a expectativa com que me sentei para mais uma Grande Entrevista de Judite de Sousa. Mesmo porque, obviamente, a conversa incidiria sobre as Presidenciais. Vale dizer, sobre o regime republicano.

Como de facto. E, palavras suas, o cargo em questão é um factor perturbador, quando devia não ser, do equilibrio politico-institucional. Quando devia não ser...

Desenvolvendo o seu raciocínio, António Barreto frisou a fortíssima união de que o País carece, e da qual está impedido, por via da elegibilidade da Chefia de Estado. Nomeadamente, neste crucial momento de sobrevivência, a congregação Presidente / Governo afigura-se-lhe imprescindivel, mas torpedeada pelas querelas partidárias envolventes. Torpedeada, ou seja, levada ao fundo do mar. Afogada.

Barreto defendeu ainda o modelo constitucional parlamentar. Muito bem. Uma opção já experimentada na 1ª República, com um Presidente eleito por um Senado. Conhecem, lembra-se dos resultados? Têm presente o produto do império dos Partidos?

Sobre o tema, a sua afirmação final é, no mínimo, premonitória: se não houver uma grande reforma, haverá uma revolução.

À atenção de cada um... E de todos.