Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

Na última escuna sob o meu comando

João-Afonso Machado, 24.08.19

PESCA.JPG

Embarcámos no Carina, em Viana da Foz do Lima, rumo ao sul desconhecido. Eu, de bicórnio, espadim à cinta e pistolete, de calça branca, justa, e casaca azul, como compete a um tenente da Armada Real. Madame muito vestida, muito afrontada. A tripulação, percebi logo, por demasiado eufórica. - Sr. Rocha?! - clamei pelo imediato; - Estamos devidamente aprovisionados? - Assim creio, Sir! - Broa de milho? Bacalhau assado? Nutridos de vinho verde? - O imediato tartamudeou - Ele é mais biscoito e água da barrica, Sir... Providencie, Sr. Rocha, providencie. Sem que percamos a maré, Sr. Rocha; velozmente, Sr. Rocha. -  Yes, Sir!...

Já no camarim, descobri-me, libertei o espadim e o pistolete (este, à cautela, sob o camisão) desapertei o colarinho e, desembaraçado da casaca, arregacei as mangas rendilhadas. Espreitei de través os mapas e enchi dois cálice de Porto. - Aqui vamos nós, my darling! Tchin, tchin!

O candelabro, já aceso, balouçava ao ritmo da ondulação.

Houve, com pachorra, de degladiar contra o medo da pirataria. Em pormenor expliquei todo o mapa de África até à Mauritânia, à Somália. Não navegaríamos em latitude além (ao invés), não iriamos para lá da lusa (mas selvagem) costa alentejana. - Exactamente até onde? - Bom, soubesse Gil Eanes onde ficava o Cabo Bojador...

Escrevo este diário de bordo já depois do Cabo Mondego, onde apanhámos ventos contrários e Madame chorou, chorou, enjoou e descompôs-se um pouco (o que celeremente ocultei à tripulação). As esgurgitações de Madame foram algo mais consistentes do que lágrimas de arrependimento ante o Senhor. Sobreveio depois o absoluto remanso. Por isso ordenei ao Sr. Rocha (- Sr. Rocha, dado as velas inúteis, quero ritmo vincado! -) um empolgante B. B. King e os remadores remando nesse exacto vigor.

Hoje, 24 de Agosto do ano da graça de 2019, velejamos com suavidade ao largo da Arrábida. Madame feliz. Dizem os mapas antigos não faltará muito. Deus permita! O biscoito é intragável, o bacalhau não cheira bem e o verde foi todo nos dois primeiros dias.