Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

A partida, esse prego cravado numa mão

João-Afonso Machado, 09.12.18

TIJOLO.JPG

Outra vez enfiado no charuto, a caminho ainda não sei bem de onde nem em que língua. Ao encontro da família, no outro lado do Canal da Mancha. A vergar ao peso das superstições. Calado como um rato. Um tormento (antes o ar corrente das caravelas) inflingido a um homem livre, respeitador apenas d'El-Rei.

Haverá muito comboio, um bom bocado de sul. O mais... Parece que a terrinha não é grande. Mas o mundo é enorme e a gente perde-se nele. Enfim, regressando dar-se-á nota disso e do restante.

 

Penela

João-Afonso Machado, 06.12.18

Penela vem dos tempos da terra de ninguém a sul de Coimbra. Nasceu numa elevação, obra de um desses condes medievais cujo nome é dificil de dizer, sempre atento ao horizonte e às hostes sarracenas que lá poderia topar.

IMG_3581.JPG

Depois do galope de D. Afonso Henriques até Santarém e Lisboa, Penela foi sossegando. E desceu ao mundo. Até onde a vista alcançasse, as serranias só muitos séculos depois tornariam a ser invadidas pelo ruído dos motores

IMG_3583.JPG

Entretanto, a devoção ganhou o lugar que lhe compete e as muralhas, pelo sim, pelo não, também se mantiveram de guarda.

IMG_3590.JPG

De resto com uma função capital: a de permitir a visão da pequena vilória que brotou a partir do castelo, aos trambolhões  pelo morro abaixo.

IMG_3591.JPG

Sem comércio, quase sem serviços, é um castigo dar com a Câmara Municipal ou com o Tribunal. Naquelas paragens, até as fundamentais tascas escasseiam. A Primavera enche Penela de andorinhas e os seus ninhos nos beirais. Mas estamos quase no Inverno e o que frutifica agora é o presépio vivo. Está tudo a postos para o nascimento do Menino Jesus - S. José, sempre a carpinteirar, a vaca e o burro, as ovelhas e os pastores. E Nossa Senhora, lindíssima.

IMG_3584.JPG

Tanto que aproveitei um momento de distracção do empenhado S. José, às voltas com o martelo e os pregos, e tirei um retrato à já quase Mãe de Cristo (a deitar-se nas palhinhas apenas no dia 25). Mostrei-o, e Ela, na sua infinita bondade, ainda me agradeceu. Obrigado estava eu, respondi. E segui à minha vida pensando que afinal tudo se deve ter passado em Penela, e não em Belém.

 

 

 

Apanhados (XVIII)

João-Afonso Machado, 03.12.18

IMG_3567.JPG

Naquele tempo eles eram um casal novo. Decerto com uma vaga noção, apenas, de que as bodas de prata vinham aí. A sua vida pautava-se pela pacatez, pela total ausência de sobressaltos, e os filhos davam boa conta de si. Pertenciam à "classe média baixa" e o Renault 5 assentava no seu quotidiano como uma luva.

Assim também com milhares e milhares de famílias portuguesas, por essas cidades e cidadinhas, por tantas vilórias fora. O carrito, de baixa cilindrada, era do mais económico, resistente, barato e bem assistido. Um pau para toda a colher, até para ralis e provas de velocidade.

Por alguma razão o cavalheiro se afeiçoou ao seu R5. Tratou-o bem, alimentou-o como devia, e o bichinho sobreviveu aos estragos da idade. Passeia muito aos fins de semana. E já é uma aparição, uma relíquia, depois de, entre o meado das décadas de 70 e de 80 do século passado, ser o mais frequente nas nossas estradas, um autêntico record de vendas por cá.

 

 

Sinistras ideias de borla

João-Afonso Machado, 01.12.18

ABERTURA REDES (2).JPG

Entrados no mar e vencida a rebentação das ondas, os barcos vão até muito longe, lançam as redes e regressam. Mais não fora, tão biblico procedimento valerá o ataque. Mais adiantemos algo mais:

O par de horas seguinte é de grande sofrimento para os bois. Não nos enganem as imagens do presépio - os bovinos nasceram também para puxar as redes de pesca no seu arrasto de centenas de metros.

Arte xávega, esse o nome da monstruosidade praticada aqui e ali, ao longo da nossa costa, de Espinho à Caparica, com alguns episódios no Algarve. Atrelados às cordas das redes, os bois puxam-nas até ao cimo do areal. Uma vez lá, são desengatados e vêm em corrida desabrida até às águas, onde reiniciam a operação. A rede, sempre captando peixe, cresce em peso, tanto quanto cresce o cansaço dos animais. O remédio é simples - trancada de três em pipa nas costas do gado que muge, urra, de lingua de fora, esbaforido, as pratas enterradas na areia, incapazes de um passo além. Que vai dando, porém, sempre à força de porrada.

Bois mansos, cujo tormento estival é o narrado, salvo onde já foram substuídos por... tractores.

Agora os peixes que Jesus um dia multiplicou, e os portugueses vão subtraindo sem grandes critérios. Aliás, um assunto com actualidade política e com a Esquerda espantosamente desatenta. - Os peixes, esses infelizes, morrendo aos milhares e milhares todos os dias, afogados (ao contrário dos humanos) fora de água.

Volvendo à arte xávega, é somar os turistas em redor das redes, à chegada destas, num roldão, os peixes esmagando-se numa pasta multiespécie, com um ou outro, preso nas pontas, a conseguir libertar-se, ainda na espuma, quase no retrocesso da próxima onda, não fora a voz

- Eh Remígio, olha esse robalo que vai fugir!

E o Remígio, afoito, a enfiar no robalo um portentoso chuto que o leva para o meio da praia. A contorcer-se, enfarinhado em areia, melhor seria atirá-lo logo para a frigideira.

O demais peixe passará suplício idêntico, caso não lhes sorria a fortuna da morte por esmagamento. Sempe espinoteando, gozosamente (como alguns mistérios do Terço...) apartados - cavalas, carapaus, sardinhas, robalos, sargos - em cabazes e levados à lota e leiloados ainda vivos, no estertor da asfixia - ou asfixiando ainda, quando não, ao entrar na cozinha para serem estripados e comidos fresquinhos.

É assim na arte xávega, na pesca do alto mar, até mesmo em alguma desportiva. Só não se percebe é como as meninas do BE e o Sr. André já-não-me-lembro-do-resto ainda não deram por isso. Porque, de certeza, a nossa tradição piscatória (com raízes tremendamente cristãs) e a nossa economia não justificam tais barbaridades.

Além disso, o macho da cavala há de chamar-se cavalo, visto não ter sido feito duma costela da fémea e por cá sermos todos iguais. Se tem escamas ou patas, a Esquerda que se vá dando conta das burrices que propaga.

 

 

Pág. 2/2