Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

Em nome da História

João-Afonso Machado, 21.03.15

I GG.jpg

Não, Sr. Prof., a «cínica Inglaterra, a bebeda impundente» de Guerra Junqueiro era, afinal, duas décadas depois, a «secular e fiel aliada» de Afonso Costa. Foi, na realidade, o argumento de ataque à Monarquia, Sr. Prof., e o seguro do Partido Republicano no Poder, quando a este conveio. Quando conveio aos "Democráticos" mandar os portugueses para uma guerra que não era deles, e nela morrerem, em vez de por cá, entre revoltas e tumultos, desassossegarem a República. É notável, Sr. Prof., como ainda agora uma conferência de História se pode confundir com uma sessão de esclarecimento político. Que foi o que o Sr. Prof. fez.

Porque nada se passou como disse, Sr. Prof. Tudo, ou quase tudo, saiu como Afonso Costa planeou: «isto entrará nos eixos se o Camacho aceitar o meu programa mínimo: ida para a guerra, defesa enérgica da República e eleições próximas». Apenas, Sr. Prof., Brito Camacho não aceitou o dito «programa mínimo» (de que jaez seria o máximo?) e o seu Partido Unionista também não, e o Ministério da União Sagrada saiu uma falácia democrático-evolucionista. E, Sr. Prof., esqueça a pretensa generosidade do Racha-sindicalistas concedendo a sua presidência a António José de Almeida. Isso foi apenas política da mais rasteira, Sr. Prof., uma mera cautela para um trambolhão eventualmente irremediável. A esperteza satânica de Costa, Sr. Prof., deixava-o já antever movimentações militares contra o seu governo, o descontentamento popular nas ruas privadas de quanto necessário à subsistência das famílias em casa. E mesmo, decerto, algo avassalador como o triunfo de Sidónio.

Deu para entender, Sr. Prof. Uma vez mais, depois do famigerado «Centenário da República», teremos de recorrer à arma da escrita. E lutar pela emergência da Verdade e pela História. Pelo Futuro, Sr. Prof., se é que os Srs. não o roubaram e ele ainda existe.

Essa a única homenagem devida, Sr. Prof. aos combatentes portugueses, vítimas da República, nos campos de batalha da I Guerra Mundial.