Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

Eu, o "Estado Social"

João-Afonso Machado, 11.03.15

TRAV. MACHADOS.jpg

Os cem milhões que ganhei no Euro dos ditos são um dique rebentado e sem conserto. O desvaste é assustador! Mesmo vivendo os cento e tal anos que me estão garantidos, uma pessoa decente basta-se com quaisquer dois milhões. Até porque, em matéria de marcas de automóveis, ninguém está a pensar em abandonar o leão da Peugeot, há ali uma afinidade heráldica, que querem? E o dinheiro não se inventou para criar maçadas, antes para as evitar. Que fazer dos restantes noventa e oito?

Foi esta coisa dos carros que me trouxe à lembrança a lusa imperdoável falha - nunca tivemos uma marca nacional, nossa. E há por aí tanta fábrica a ruir, nem será necessário roubar mais terra à natureza, ao que sobra dela.

De modo que dei ordens para andarem com isso. Engenheiros, projectistas, gestores, mecânicos mulheres da limpeza, a telefonista - tudo gente portuguesa, e só. A designação escolhida é óbvia - Machado. Com modelos para todas as gamas. Aliás, estou já entusiasmadíssimo com o futuro Machado Hunter 4x4 (carroçaria woodie).

No mais, pedi ao Senhor Abade se encarregasse do costumeiro rol das entidades precisadas. Excluindo, naturalmente, a Administração Central. E os partidos todos. E a Misericórdia de Lisboa, enquanto por lá andar o Santana Lopes.

Assim me chamam já, aqui na terra, o «Estado Social». Acima de tudo, quando a rapaziada do café me descobre no topo da rua - aí vem ele, o «Estado Social»! - porque é sabido, é cerveja para todos - para todos os que a emborcam em girafas, entenda-se - e tostas mistas e amendoins à descrição.

Nada me falta para poder pedir em troca. Decerto, ninguém conceberia o contrário, mesmo antes de findos os meus cento e tal anos de existência, não ocorra a homenagenzinha da praxe, a placa descerrada com o meu nome em qualquer artéria do burgo. Mas com a dimensão devida a tanta nota caída do céu. Quer dizer, nada de avenidas - basta uma viela esconsa, uma travessa qualquer.