Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

Um príncipe iluminista

João-Afonso Machado, 08.09.14

Veio ao colo numa noite do princípio do Verão em que parecia chamar por toda a gente, debaixo de um carro estacionado na rua, e tinha fome.

Chegou e foi-se logo apropriando da casa inteira. Instalou-se na suite, em cama circular, um magnífico water-closed (destes mais modernos, com portinhola apenas), mesa e cadeiras, frigorífico recheado, uma parafernália de utilidades e janela com vista para o assombroso quintal do vizinho.

Os demais hóspedes por vezes queixam-se. Sobretudo quando irrompe na sala de convívio e, sem cumprimentar, inopinadamente, se senta ou estende onde lhe dá na real gana de um príncipe iluminista. Ao colo de uma senhora, por exemplo. Ou no quentinho de algum computador em funções. Ou brincando com as minhas velhas polainas de andar no monte.

Pio, o canário, - outra nobilíssima presença - perturba-se muito com o seu olhar gulosamente fixo e curioso. Com o seu mefistofélico abanar de cauda. E quando alguém, por fim, se atreve a chamá-lo à atenção para o embaraço da situação, já o Dr. Gato, em pezinhos de lá, sem ruído, cautelarmente se deslocou para outro qualquer salão.

E é então um coro de vozes por ele. Por este déspota feroz, egoísta, resmungão, de garras implacáveis e dentes como punhais assassinos (pobre Pio!...), sem o qual, na verdade, já não se passa. O que será, meu Deus, se algum dia S. Ex.cia vence o medo das alturas e decide voar da varanda do 1º andar no encalço de alguma princesa congénere?