Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

Lá no cimo, junto às ruinas do que nunca foi

João-Afonso Machado, 09.12.12

Era o monte dos grandes passeios escolares da infância. Com saída logo ao amanhecer, merenda trazida de casa e um bom par de quilómetros pela frente. Acompanhados dos professores e sempre escoltados por matas à esquerda e à direita e em frente, sempre em frente até ao topo da elevação. Onde pontificava a capelinha, o parque das romarias e uma tarde de brincadeira, logo que saciadas a fome e a sede.

É de imaginar há quanto tempo assim era tal floresta, com vista para a vila...

No andar das décadas, as suas encostas cogumelizaram-se de casas, aliás, a esmagadora maioria das quais do mais duvidoso gosto. Atrás das casas veio o alcatrão. E atrás do alcatrão, os cafés, as mini-indústrias e as oficinas e mais casas. Todos os dias mais casas.

Ainda agora, lá em cima, uma urbanização - quase duas dezenas de fogos - coisa moderna, construções em banda (como se diz)... com o acabado ar de definitivamente inacabadas. Não disfarçando a irremediável falta das amplas vidraças com que se revestem as faces avarandadas dos cubos e dos paralelípipedos habitacionais da arquitectura mais recente.

E o mono ali ficou, no pico do monte, esparvoado, decerto à espera que cá em baixo, nas instâncias judiciais, alguém lhe dê um destino, defunta que será a empresa sua construtora.

A ganância frequentemente é fatal à lucidez: números redondos, há no presente mais 1,8 milhões de casas do que famílias em Portugal. E tanta coisa para quê? Se fosse só para ficarem à espera... Se não tivessem dado cabo da paisagem...