Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

As mil e uma pontes

João-Afonso Machado, 26.06.12

Há três ou quatro dias vou estando atento. A ocasião era de estalo: o sacrossanto S. João, a proximidade das "Autárquicas". Luis Filipe Meneses ordenou a primeira carga da cavalaria. O "castelo" da municipalidade do Porto é o seu objectivo.

Meios: nada mais - crisis, what crisis?  - do que a construção de três pontes (uma pedonal) e um túnel entre o Porto e Gaia. Administrativamente falando: é da fusão entre as duas cidades que se trata. Uma joia do seu ideário que larga no ar, qual balões, uma treta, enfim.

A muitos terá passado despercebido o rastilho. O JN encarregou-se de o bufar até hoje, não deixando a mecha apagar.

Evidentemente, não há suporte económico que justifique o programa. Financeiramente, então...

Aproveitei a oportunidade para ir falando com as gentes aqui do bairro. Por unanimidade - Porto é Porto, Gaia e Gaia. Parágrafo.

E reflectindo um pouco sobre o tema, sempre se dirá, não é um decreto que apaga diferenças provenientes do início da Nacionalidade. Tão menos o decuplicar das pontes. Com que cidade futura está Meneses a sonhar? Porto-barra-Gaia? Porto-traço-Gaia? Portogaia? Gaiaporto? Porto - só? Vilanovenses encolhidos?

O tema terá continuação. Para já, se Meneses quer maximizar as potencialidades turísticas do conjunto, promova o fecho do trânsito automóvel no tabuleiro de baixo da Ponte D. Luis. E, de caminho, tire de lá o rótulo «Ponte Luis I». Primeiro porque só houve um monarca assim chamado; depois porque os nossos Reis nunca perderam o tratamento de "D.".

Arriscaria ainda, a terminar: não é convocando o festejo elitista que a ideia se pega às populações. Arquitectos de nomeada, artistas de todas as artes, políticos oposicionistas, representam-se apenas - e muito bem - a eles próprios. Daí aos votos...

Ou talvez nada mais seja senão um passeio de Meneses a Barda... - perdão, a Budapeste.