Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

Como se uma sentença finalmente justa...

João-Afonso Machado, 15.06.12

Meu caro Pedro: acreditarás, ainda agora me é dificil perceber e expressar o que sinto e penso. Talvez fosse necessária a caminhada a Finisterra, talvez esse o trilho a calcorrear e o promontório onde melhor conseguiria ouvir o eco de todas as verdades guardadas no Tempo. Anos e anos de luta e incompreensão, afinal lentamente transformada em conhecimento generalizado mas silencioso. De um comodismo instalado que tu rompeste com as tuas palavras precisas, clarividentes e sinceras.

Talvez tudo faça sentido. Sobretudo diante da paisagem grandiosa, contraponto evidente de todas as mesquinhices, envolventemente capaz de afastar quaisquer hipotéticos propósitos de vingança. Niveladores gestos impossiveis à vontade no cenário inesquecivel de Finisterra, frente à dimensão da vida transmitida pelo não acabar do oceano.

Não quereria outra demonstração de amizade. Nem mesmo formas diversas de incentivo. Desfeito o mito, restará aguardar venha à tona a justiça dos homens. Algo de pouco consistente, é certo, mas ainda não erradicado dos espíritos. E posta em pêlo, a personagem que sabemos, saltaricando nua pelos becos da vergonha, o seu elemento natural, não será dispiciendo acreditar na recuperação das minhas perdas, essas mesmas que bem conheces a desertificar-me a existência. Até um dia que, convenceste-me, acreditas chegará. Depois de quantas décadas tratado à paulada na alma?

Pouco importa, meu caro. Já é bastante saber que o mundo saiu do seu turpor, abriu os olhos. Quem até agora aguentou, sem ir do precipicio abaixo, decerto chegará ao termo da caminhada. Também Finisterra bailou tantos quilómetros diante de nós encoberta pelo nevoeiro. Até vencermos a derradeira escalada...

Guardarei comigo, enquanto não se me alar a lucidez, o teu gesto, o teu falar, o julgamento que tão bem conduziste. Para sempre grato, meu caro Pedro!