Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

Histórias da Carochinha

João-Afonso Machado, 30.10.11

Pois nada sabia, Ritinha. Tenho andado meio arredado e só ontem me contaram foste às festas, onde deixaste, bem marcada, a tua justa reputação.

Então não é que decidiste recolher à pensão, altas horas, ao que dizem, tropeçando muito no subir das escadas? E atrás de ti, a amparar-te pelo rabo, um manganão, o teu João Ratão. Garantiu-me um hóspede, conhecido de longa data, essa noite não foi possível pregar olho, tal o alarido. Uma chiadeira, uns berros cortantes. E a empregada, ao passar no corredor, que te ouviu tossir, engasgada, quase sufocada! E o reboliço no quarto, o reboliço, horas a fio, meu Deus, em terra mais pacata!

Foi por isso que a D. Zulmira te informou muito seca, na manhã seguinte:

- Menina, não é permitido os hóspedes trazerem convidados para o quarto!,

com aquela sua voz afiada, a D. Zulmira que já na véspera de andara a cocar, forasteira, sempre desconfiada, a modos de quem investiga e se questiona:

- Quem será esta galdéria?,

como se lesse e adivinhasse nas tuas bochechas, Ritinha, essa tua sublime especialidade de mandar cartas anónimas e de fazer telefonemas a meio da noite, sempre escabrosos, sempre injuriosos, em papel manchado de vinho e voz empastelada. Como se já tivesse percebido tudo, a espertalhona da D. Zulmira.

Enfim, a seu tempo contarás como recuperaste as tuas botas altas que, na vergonha da debandada (o que o João Ratão se riu, Ritinha!), esqueceste na pensão.

 

Maioridade

João-Afonso Machado, 30.10.11

Lembro os meus 18 anos. O presente da minha querida Avó foi o festejo, um jantar em que convidados eram todos os (muitos) grandes amigos. Engravatadíssimos, eles, de vestido especial, elas, porque, enfim, ser adulto também era isso: o blazer, o salto alto…

E com tantos fugitivos da idade menor vinham os pais respectivos. Porque, nesse tempo, a carta de condução e o automóvel não andavam tão depressa quanto a nossa vontade de sermos “grandes”.

Hoje é a vez do meu filho mais velho: 18 anos e eu a senti-lo ainda ao colo! Mas é o que é. E as comemorações principiaram ontem, em forrobodó pela madrugada fora com os parceiros. Com direito a um dia de aniversário a recuperar o sono. Logo mais, lancharemos. E depois…

E depois será a vida, no que ela nos consegue dar. Do jantar que a Avó me ofereceu segui direitinho para a Faculdade. Por não mais do que cinco anos, claro (está expressamente proibido de chumbar, dizia-me o Pai), e logo após para o estágio e para a profissão. Até agora.

E os filhos? E os demais, nas mesmas circunstâncias? Que Faculdade, que estágio, que profissão?

Que maioridade, que vida, afinal?