Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

Salreu

João-Afonso Machado, 06.12.10

 SALREU - 1.jpg

Maré de chuvas e inundações. Fui ao sotão das memórias e trouxe um episódio vivido com um amigo de sempre. Inverosímil, talvez, mas verdadeiro. Ocorrido há anos, numa manhã de narcejas, em Salreu, um braço qualquer da Ria de Aveiro.

O terreno era o que se percebe. Já o meu Pai, tão andado por ali, avisara a perigosidade dessas paragens. Mas como de costume, nunca se liga ao saber dos mais velhos...

Quis Deus, caminhássemos muito perto um do outro. Porque, de súbito, dois passos dados, vimo-nos atolados até ao umbigo. Com as botas que nos chegam cá acima, presas ao cinto, completamente afogadas...

É dificil descrever a sensação. Fique apenas a ideia de que o esforço para libertar uma perna implicava o afundamento da outra - areias movediças!

Sem palavras, percebemos tudo e confrontámos o pânico. Felizmente, eu estava um pouco atrás. O meu parceiro ganhava-me na balança alguns vinte quilos.

E, apoiando-me nele, desapertando as presilhas das botas, lá consegui libertar-me e retroceder - numa espécie de cambalhota para trás - ao ponto firme do ensopado. Depois, foram as palavras de tranquilidade, os cartuchos retirados da arma, e esta usada como um cabo de vassoura, a puxá-lo para fora - sem botas.

Em meias, dentro de água, ainda conseguimos pescar o calçado. Lívidos, continuámos a caçar. Porque estavamos a seco, não tinhamos sequer visto uma narceja...

Custa reconhecê-lo, mas hoje não prosseguiríamos. Coisas da idade.

 

É o fim das pensões e albergarias

João-Afonso Machado, 06.12.10

A partir de hoje tudo muda. Tudo? Espero bem que não. A legislação - obra governamental, sem dúvida - extinguiu os móteis, pensões e albergarias, mas a notícia não é exactamente clara. Tudo indica, porém, que a tais estabelecimentos, além de lhes ser proporcionada uma hipótese de reconversão qualitativa, aceita-se ainda mudem o nome. Isto é, adoptem a designação de alojamento local.

Ora, tornam-se-me sempre suspeitas estas movimentações para trepar nos preços. A pensão que me espera no veraneio anual está muito bem, com o soalho rangente e as velhinhas de há tantas décadas, a fazerem-me sentir um rapazito. Não, dispenso o extintor e as mais modernices, contando que não bulam na diária. E o mesmo se diga quanto aos muitos sítios onde vou pernoitando nas minhas deambulações Pátria fora.

Se, todavia, a questão é meramente nominativa, esteja o Governo à vontade. Pela parte que me toca, tanto posso chamar-lhe cego como invisual. Desde, é claro, não venha pedir essa esmola a norte da Serra do Caldeirão.