Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

MACHADO, JA

A minha escrita, a minha fotografia, o meu mundo

Lisboa, hoje

João-Afonso Machado, 02.10.11

Hora do almoço. À passagem na Baixa lisboeta, na Rua do Ouro, o trânsito entope subitamente. E demoradamente, ao ponto de as buzinas entoarem os seus protestos e as pessoas abrirem as portas dos carros, a espreitar.

Ao longe, um movimento inusitado de pessoas, em plena via, bandeiras e papelotes, uma fumarada amarela.

Lá se conseguiu avançar. Chegados ao centro do charivari, lenços na boca dos circunstantes, a via desempedida, sim, e uma tropa juvenil - as bandeiras sempre.... - mais a percepção de que as forças da ordem vinham aí.

Não tardou a sua intervenção e o desvio do trânsito automóvel. O que se terá passado?

Estranho cheiro no ar, vidros fechados, umas tosses, ainda assim...

E o silêncio, nos noticiários nocturnos.

Oxalá não tenha sido outra helenização. Paira no ar o síndroma da revolta. Compreensivelmente. Mas a realidade é o que é. E a verdade, dentro de todos os subjectivismos possiveis, ainda aguarda uma resposta alternativa - que solução admissivel para além da União Europeia?

Não vale a pena chorar sobre leite derramado. Portugal aceitou um caminho, há já mais de uma década. Dar o dito por não dito é pior do que fugir para a frente, para a base de um eventual acerto qualquer.

Salvo, é claro, nos disposamos a uma miséria total onde quem perde sobretudo são, inevitávelmente, os mais pobres - esses que nunca alcançarão a Suiça bancária.

Têm a palavra os sindicatos. E os dirigentes sindicais - já ninguém (Helà!, sindicalistas profissionais!) garante o seu ordenado de dirigentes, num cenário de avalanche. Todos temos a perder, se não ganharmos a confiança nas entidades governamentais.

Exigência única, quanto a estas: fatinho e gravata à parte, não desbundem. Por uma questão de moralidade, apenas. Ou principalmente...

 

 

 

 

4 comentários

Comentar post